segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Poesia/111

Procura-me por aí
Quando eu tiver que partir

Procura-me no vento que sopra
No orvalho ou na aurora

Na música ou nas páginas de algum livro
Na Lua cheia ou nas nuvens
(elas sempre foram meu melhor abrigo)

Procura-me em telas coloridas
Em cartas de amor e afins

Procura-me dentre os girassóis
Ou entre lençóis cor de marfim

Procura-me com paciência
E em tudo isso, poderá me ver

Pois mesmo quando eu tiver partido
Dentro de quem me ama, eu irei viver.

Um comentário:

Fabio disse...

Querida Taty, estou apreciando seu trabalho. Adorei este poema.
Keep writing>