quinta-feira, 3 de junho de 2010

Crônica/13

Envelhecer

Estou cansada. Já não sou mais a mesma. Meu corpo dói. Meus olhos estão fatigados também. Isso me lembra que preciso usar óculos. E preciso urgentemente. As letras parecem cada vez mais turvas. Há anos eu evito os oftalmologistas, porque sei o que eles irão me dizer: você precisa usar óculos. Aliás, quer saber de uma coisa? Eu não vou usar óculos. Vou usar lentes de contato. Óculos? Só se forem escuros.
Convém anotar que preciso marcar consulta com um oftalmologista. Minha memória anda falhando. Se eu não anoto uma coisa na hora em que passa pela mente, puf! Já era! A coisa passa e corre o risco de não voltar ou de voltar muito tempo depois. Será que isso é um princípio daquela doença, como é que é o nome mesmo? ... ... Alzheimer! Isso. Será que pode ser Alzheimer? Mais uma nota: checar outro médico para saber se estou com Alzheimer.
Sinto um mal estar no corpo. Principalmente nas pernas, nas costas, nos braços, nos ombros e nos pés. Esqueci algum lugar? Bem, foi um dia agitado, eu andei para lá e para cá e fiquei dolorida. Peço uma massagem ao meu marido e ele me diz:
- Espere um pouco. Vou pegar aquela pomada para dores. Tem um cheiro estranho, mas vai te deixar nova em folha!
Ah, que bons tempos eram aqueles quando eu pedia uma massagem e ele falava:
- Espere um pouco. Vou pegar aquele óleo aromatizante. Que tal pôr uma música?
Enquanto me lembro de nossos bons tempos, dou uma olhada no espelho, para checar os cabelos brancos. A cada dia eles aumentam. Eu me recusei por muito tempo a usar tintura para cabelos, mas vejo que agora não posso mais escapar desse ritual se quiser esconder todos os fios esbranquiçados.
E ainda tem as rugas! Hum, as rugas. Eu as odeio com todas as minhas forças. Até evito me olhar no espelho por causa delas. Foi-se o tempo em que eu não tinha vaidade e dizia que creme para evitar o envelhecimento era uma bobagem. Como nós mudamos depois de certa idade!
Então, envelhecer é isso: sentir cansaço, preocupar-se com rugas e cabelos brancos, anotar coisas por medo de esquecê-las, consultar vários médicos. Eu imaginava uma outra forma de envelhecer. Quem sabe o que eu fiz de errado para terminar assim. Aliás, será que fiz mesmo algo errado ou estamos todos fadados a passar por isso? Para ficar de bem comigo mesma, prefiro pensar na segunda opção.
Depois da massagem com a pomada de cheiro estranho, eu irei dormir. Foi um longo dia e preciso me preparar para mais uma jornada de trabalho. Reclamo das dores e de outros detalhes, mas que bom que estou trabalhando. Já são quase 22h e preciso descansar. As coisas poderiam ser piores, não é verdade? Quer dizer, eu me sinto cansada, desgastada, mas é isso mesmo que acontece com todo mundo. Portanto, estou apenas seguindo o curso da vida.
Amanhã é um novo dia. Acordarei “novinha em folha” por causa da pomada de cheiro esquisito. E não pensarei mais em cabelos brancos, rugas e no cansaço que o dia de trabalho me dá. Amanhã, voltarei a me sentir jovem. Jovem como qualquer pessoa de 26 anos.

3 comentários:

Marcelo Ribeiro disse...

Todos nós envelhecemos. A diferença é que somente o corpo pode envelhecer, enquanto que o espírito, este jamais envelhece. E é melhor admirar o que você é mesmo. Muito bom texto, e quem visitar, recomendo. Boa leitura!

Tatyana França disse...

Obrigada, Marcelo ;)

Kylvia disse...

Texto bem a tua cara mesmo!
Mlr que medo enorme de envelhecer, parece que a vida está acabando e não estamos fazendo nada de útil.
Acho que vou seguir o exemplo dos meus avos: casar, ter filhos, batalhar pra vê-los crecer bem. Acho que assim fiz algo de bom por alguém. :/
Será que o envelhecimento é só isso mesmo?