terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Microconto/60



Enfim, livre

Meses de insistência e ela só dizia que não e não, que essa história de namoro não ia dar certo.
Até que ele apareceu mais uma vez se dizendo apaixonado. A noite estava fria, ela o convidou para entrar uns minutos. Conversa vai, conversa vem, o clima começou a mudar. O assunto não acabava e ela começou a pensar que, afinal, poderia dar uma chance a ele. De repente, um olhar mais terno, e ela disse:
- Preciso ir lá dentro só um instante.
Foi ao quarto, abriu o armário e, cuidadosa, tirou a gaiola. Pegou a chave, sempre pendurada ao redor do pescoço, e a abriu.
Voltou à sala sorridente, trazendo o coração livre outra vez.

Fonte da imagem: Sweet Scrap

2 comentários:

Roseane disse...

As decepções muitas vezes fazem com que as pessoas se fechem. Mas isso acontece sem que a pessoa perceba que nem todas as pessoas são iguais. É preciso não somente dar uma chance ao outro, mas também a si mesmo.

Wilka disse...

Pois é, nós e nossas gaiolas, objetos construídos pela insegurança, medo, solidão... aiai, eu tenho não uma, mas algumas e como tem sido difícil me livrar delas.

Obrigada pela visita :)
Bjim